segunda-feira, 5 de maio de 2014

O que você escolhe: Seu orgulho ou sua felicidade?


Refletindo sobre orgulho esta tarde, questionei-me de que graça tem ser um ser humano tão amargo a ponto de endurecer um coração que já foi uma gelatina de pureza há um tempo atrás. Parei, pensei, repensei e após concluir que não valia a pena ser o oposto do que já fora um dia, me veio outra questão: as pessoas gostam mesmo de se autodestruírem internamente apenas para mostrarem que são superiores e/ou inabaláveis? 
Sou colecionador de histórias mal sucedidas ocasionadas por uma atitude que não chegou nem na pré-adolescência, quem dirá na maturidade. E as mais tristes são as de amores, porque de fato, é muito doloroso saber que uma história que já foi recheada de sorrisos pode se converter a qualquer momento, em algo que não vale mais a pena ser lembrado. Com isso, só me resta concluir que os sentimentos tornaram-se descartáveis.
Somos a geração orgulhosa. “Não vou”. “Não quero”. “Quem, eu?” “Estou na minha razão”. 
A característica principal de todo orgulhoso é que ele é egoísta. Primeiro ele, depois os outros. O orgulhoso é incapaz de aceitar que a opinião do vizinho é melhor que a sua. Às vezes, ele até gosta e concorda, mas para não sair do seu trono invisível e do seu posto de rei – que ninguém conhece -, ele prefere criticar, apontar e ser o do contra. Quanta tolice!
Será que dói reconhecer um erro? Fere pedir perdão? Prejudica a sua vida financeira ajudar alguém que não tem condições no momento? Desfaz a sua imagem perante a sociedade fazer algo que a maioria não tem coragem? Se suas respostas para estas perguntas forem ‘sim’, talvez você não esteja apenas agindo errado, mas quem sabe, esteja vivendo incorretamente. 
Preciso dizer que os orgulhosos não são felizes, porque até o amor tem dificuldade de derreter a pedra de gelo que é o coração de um orgulhoso. Quem cultiva orgulho tem dificuldade de perdoar. E possui mais dificuldade ainda, para pedirem perdão. Com isso, acabam deixando de viver a felicidade na sua forma mais intensa de ser. E o estranho mesmo é saber que pessoas orgulhosas, se orgulham disto. Que louco, não?
Finalizo este texto dizendo que o orgulho engasga, arranha e tira lágrimas. Ele contraria a felicidade e destrói bons sentimentos. Então repensem seus conceitos e melhore seus atos para com os que te rodeiam. O vento não deixa de tocar alguém porque ele possui um histórico negativo, a chuva não deixa de cair no morro porque lá habitam bandidos, e os cachorros não deixam de dar amor à um mendigo porque ele está sujo e fedido.
Liberte-se desse mal que te algema. Entenda que não vale à pena. Porque orgulho não tem nada a ver com honra. Tenha discernimento em sua vida. Abra mão do orgulho, abrace a felicidade.

Por Wesley Néri. Li no Isabela Freitas
Postar um comentário