sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Tempo, o inimigo da monografia - Dica 06



Depois de várias fases já concluída como: a escolha do orientador, a escolha do tema, a escolha das bibliografias, estudo sobre as normas da ABNT, estudo aprofundado do seu tema, pesquisas e mais pesquisas; você começa a desandar no Word e o seu tão sonhado e trabalhoso trabalho começa a ter forma.
É neste momento que o inimigo número um se chama "tempo".
Sem nenhum tipo de generalização por área, final de graduação sempre é corrido. É detalhes da festa sendo organizados, é um pesquisa orçamento daqui, pesquisa orçamento dali, se vira nos trinta para escrever monografia, cumprir prazos, estudar para as outras matérias e faz trabalho complementar daqui e faz trabalhos complementares dali. Loucura.
Pois bem, conciliar tudo isso é muito tenso ainda mais se você é assalariado independentemente de ser da rede privada ou publica; seu serviço não tem nada a ver com seus estudos e eles não querem saber o quanto você esta a mil suas responsabilidades da graduação, o seu rendimento não pode cair e as suas obrigações lá dentro devem ser feitas com a mesma precisão de antes.
É para estas horas que um bom planejamento te salva.
  1. Todo trabalho tem uma quantidade de páginas mínimas, trabalhe com uma margem de páginas extras (vai que seu assunto seja mega interessante e ultrapasse tranquilo as paginações mínimas) e divida pela quantidade de dias que você realmente irá se dedicar a produção; assim terá em números quanto você deve produzir sem choro e não ouse levantar a bunda da cadeira antes de atingi-la.
  2. Determinar os dias de produção. No meu caso durante toda a minha graduação eu já trabalhava, então durante o dia estava no escritório e a noite na IES então que horas eu produzia? Nos finais de semana. Teve muita gente que fazia a noite após a aula mas este método não funcionava para mim, chegava super cansada e não saia nada da minha cachola. Então eu calculei quantas páginas tinha que produzir por final de semana, durante todos os finais de semana com um folga de quinze dias antes da entrega. 
  3. Determinar o prazo entre a conclusão da parte escrita e a entrega. Eu coloquei um prazo de quinze dias pois conforme ia escrevendo eu meio que ia deixando as coisas organizadas nas normas, não 100% mas este método me poupou tempo no final. Mas qual o motivo disso? É simples, após a parte escrita estar OK o seu trabalho deverá ser revisado por outra pessoa e acredite, terá tantos erros de concordância que você nem irá acreditar mas isto não quer dizer que você seja burro, é porque simplesmente quem esta lá todo dia lendo, relendo, atualizando, mexendo e escrevendo não vê e só. Acho que seja pelo fato de que para cada parágrafo você põem a cuca para funcionar tanto que isto causa algum bloqueio mental para erros de concordância. Além da revisão, o trabalho deverá ser colocado nas normas da ABNT e isto toma um tempo danado e, fora isso, você terá que imprimi-lo e encaderna-lo. É difícil tudo isso em um dia, demanda tempo e grana então fique esperto no prazo entre o término da escrita com a entrega oficial.
  4. Feriados. Considere feriados como produção extra, não inclua os feriados que estão por vir no calculo da produção mínima por página pois nunca se sabe o que pode acontecer nestes dias. Imagina se você esbarrará em quatro feriados durante a semana e você inclui eles no calculo, dai, nestes feriados acontece alguma programação MUITO boa com seus amigos e você a esta altura já esta cansado-estressado-querendo-jogar-tudo-pro-alto. Já imaginou o MIMIMI que vai ser né. Então anotem ai, não considere feriado na produção oficial, ele deverá ser utilizado sim para escrever e aproveite-o o máximo que puder na frente do pc, o que nos arremete ao 5.
  5. Feriado não é diversão. Feriado é o marajás dos deuses para quem esta em produção, você esta liberado da faculdade, esta liberado do trampo, qualquer coisa que tenha que resolver não será resolvido afinal é feriado; ou seja, perfect produção! Caia de cabeça na produção nos feriados, aproveite esta liberação de todos os seus compromissos para dar um gás na escrita e ficar com folga na entrega. Outra coisa interessante é que conforme o meu trabalho foi ganhando forma a necessidade de aprofundar alguns temas ou estender outros era imprescindível para ficar bom, logo, as paginações antes estipuladas não ajudavam mais porque eu já tinha atingido a meta de páginas mínimas porém o meu assunto ainda não estava concluído. O que me salvou foram os feriados enclausurados. Por este motivo que no ponto 1 eu falo para considerar páginas extras, eu aprendi na prática este fato importante.
  6. Entregas periódicas ao orientador. Algo que também aprendi na prática e fui moldando minhas ações conforme via o resultado foi: não entregar muitas páginas escritas ao orientador de uma vez pois assim você levará muito tempo fazendo os ajustes lembrando que no dia que você produz, além de fazer as modificações/melhoras conforme o orientador você deve ainda escrever as páginas mínimas. Então é mais viável você ir enviado arquivos por tópicos concluídos por exemplo, do que por capítulo.E claro, se o orientador colocar metas e prazos, estes DEVEM ser cumpridos. Força na peruca!
  7. Reuniões dinâmicas. Que preguiça que me dava ver um colega na orientação com o not aberto lendo o que o professor estava lendo também só que na tela do not dele, cada um com o seu notebook, subindo e descendo página para acompanhar o professor, affi affi. Como eu fazia: Word novo aberto, anotava os tópicos que ele ia falar naquele dia, anotava a data da orientação e danava a escrever os comentários do professor nos tópicos conforme íamos conversando e argumentando. Ponto final. 
  8. Foco na hora de pesquisar na internet. Uma olhadinha nos blogs, outra no facebook, instagram, twitter, pinterest, facebook de novo e instagram de novo; lá se foi quarenta minutos ou mais do seu tempo com aproveitação zero. Tenha foco quando for realizar pesquisar na internet. Se policie e resista a tentação. 
  9. E-mail e Skype do orientador ajuda, e muito. Sabe aquela duvidazinha que esta tirando o seu sono ou que fez empacar um determinado tópico, orientação de emergência não tem e a sua próxima reunião é daqui quinze dias. Problema a vista. Assunto parado por dúvida ou questionamentos é tempo perdido, nestes casos um meio de acesso rápido com o orientador faz toda a diferença. Mas entenda que não é uma reunião via e-mail/skype, é um e-mail objetivo e claro da dúvida a ser esclarecida, a mesma coisa para o skype. Sabendo usar estes meios, o orientador não irá correr dos seus chamados online achando que você quer tirar todas as dúvidas do mundo ali.
  10. Foco pessoal. Por fim, de nada adianta ter todo um esquema para aproveitar o seu tempo da melhor forma possível se você não se esforça, se levanta a bunda da cadeira encerrando o dia de produção sem atingir as páginas mínimas estipuladas, se não cumpre os prazos do seu orientador, passa mais tempo nas redes sociais do que fazendo uma pesquisa de peso para o seu trabalho, enfim. É tempo perdido pra você não fazer um trabalho decente e é tempo perdido do seu orientador tentando te orientar. Pense nisso.
 Valeu!
Postar um comentário