segunda-feira, 24 de março de 2014

Wedding



Quando eu tinha lá meus dezoito anos estudava técnico em enfermagem, um curso interessantíssimo e que mostra bem a realidade da saúde e do Sus neste lindo país. Por “n” motivos acabei não seguindo a área (enfermagem ou medicina) e cai nos braços da contabilidade mas, este assunto é para outro post.

Uma certa tarde após a turbulência de emergências e atendimentos veio a calmaria e junto os diálogos professores – alunos. Uma professora em especial estava se separando naquele momento, ao acaso morávamos perto uma da outra e as vezes via ela e seu esposo, pareciam um casal feliz e talvez este era o problema, só pareciam. Ninguém sabe mais do casamento de um casal do que os próprios.

Não vem ao caso o motivo da decisão dela de separar até porque este não é o movedor do post. O centro esta em uma frase que naquela tarde ela me disse (ou mais ou menos assim): “que se casou porque foi pedida em casamento”.

Este dito martelou tanto a minha cabeça por vários anos e, “é, as mulheres (a grande e desesperadora parte das mulheres) casam porque foram pedidas em casamento”. Por equívoco cerebral talvez você não esteja compreendendo a profundidade e importância desta realidade e eu até colocaria como preocupante.

Nascemos e com menos de 24 horas de vida nos enchem de coisas rosas, de bonecas, de furos nas orelhas, anéis, pulseiras, faixas na cabeça e roupas rosas. Pronto! Ai esta uma linda menina! Que jogue a primeira pedra quem nunca viu uma criança com menos de 04 anos ninando a sua boneca que diga-se de passagem, é quase do tamanho da própria criança - e ainda por cima - dando palmadinhas em sua bunda quando chora demais ou até falando “meu bebe”. Somos programadas para isso, inconscientemente nossas mães (já modernas) nos ensinam como ser bela, linda, intocável dona de casa e mãe de um filho (até então imaginário e vivido por aquele boneco grande e esquisito). Não temos alternativa! (Terá se você não cair no rol das alienadas - assunto para outro dia também)

Dão-nos casinhas em miniaturas com menos de 06 anos e adivinha o que tem nela? Fogão! Geladeira! Pia para lavar a louça! Máquina de lavar! E claro, um forno para fazer guloseimas para seu filhinho fofo. Inconsciente. Guarde bem esta palavra: inconsciente.
Com um pouco mais de idade, a ideologia da casa perfeita sai do bebe grande para ser projetado no príncipe encantado que tornará a nossa vida infinitamente feliz e completa. Porque sem príncipe não á razão para a casinha. Não a motivo em ter um fogão, "quem vai comer meu bolo gostoso?" "Quem vai completar a minha vida?"
E é assim que casamos não por sentirmos a importância do relacionamento, nos casamos porque fomos pedidas em casamento. O nosso objetivo é casar! Você vai dizer não ao primórdio de todos os objetivos de nossa existência? Claro que não. Aceita boba, você vai se casar! (acrescente pulinhos de alegria)

Há pessoas que concluíram que este texto é feminista (então morra só sua frígida), não é assim que pensam ou pensaram a maioria ao ler? Não se engane. Primeiro, não sou feminista. Segundo, uma feminista ama e também casa e terceiro, eu (como mulher independente e vivendo no século do modernismo) não sou obrigada a aceitar nenhum pedido de casamento!

E para ser mais clara que isso, um pedido de casamento não é só um pedido - é uma proposta. A sua proposta esta sendo convincente? Os itens pautados serão de fato realizados? Você acha que sendo um parceiro de merda (vamos definir parceiro de merda: não sabe dar valor ao que realmente importa) ela tem que aceitar o seu pedido de casamento? Casamento não é a solução dos seus problemas e você mulher deve ser con-ven-ci-da de que o cara que esta pedindo-lhe a mão esta sendo verdadeiro e o mais importante, conseguirá viver cinquenta anos ao lado daquela mania/defeito que mais te irrita?

Vejo inúmeras gurias pressionando seus parceiros para o casamento sendo que no fundo nem é isso que querem! Pressionam porque (inconscientemente) botaram na sua cabecinha que independente dos seus objetivos futuros você TEM QUE CASAR e se precisar querida, esqueça seus planos de grande profissional se não for compatível geograficamente com o do seu parceiro. "Passou de quatro de anos de relacionamento e não noivou? Iii, esta sendo enrolada". Mas que sociedade de merda é esta que estou inserida? Posso ser, por favor, uma mulher de 25 anos que não almeja ter filhos e que casamento não é algo que faz meus olhos brilharem? Posso?
Posso ter um relacionamento duradouro sem ser metralhada com perguntas sobre matrimônio? Posso viver meu hoje sem preocupar-me se meu futuro será solteira ou casada?

Sabe, parem de casar só porque a palavra é bonita. Parem de dar UM DOS maiores passos da sua vida só porque você já tem cinco anos de namoro ou porque esta perto dos trinta. As vezes você gosta da pessoa suficiente para um namoro mas não para um casamento, poxa. Você tem alternativa. 
Case quando der vontade, quando sentir que o que te irrita não te incomodará nos próximos quarenta anos. Case com 30, 40 ou 50 anos de idade, case com 20 anos de idade mas desde que isto seja real e não uma consequência de ações ou de anos de relacionamento. Case querendo isto e não porque há uma pressão psicológica.

No fim casamento é ser convencido a pular de um penhasco sem ter certeza de estar ou não de paraquedas. A emoção inicial será a mesma para todos mas só após alguns segundos, no momento de puxar a corda, que você entrará no modo felicidade plena e poderá apreciar a paisagem que a cerca ou, entrar em completo pânico de se ver na situação mais imbecil da sua vida, vendo o chão se aproximar e já imaginando a sua cara amassada nele. Depois desta horrível e dolorosa queda, os dois recolhem os cacos que sobraram de si, se olham e se questionam: por que pulamos?

Obs: Se umas das regras impostas ao seu parceiro para reatarem o relacionamento foi casamento (ou frases aleatórias que chegam a esta mesma conclusão), se mata. Sério.
Postar um comentário