quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

así que ...

(...)Odeio homens que olham para bundas como se admirassem uma carne pendurada no açougue e odeio mais ainda quando fazem bico e aquele sim com a cabeça, tipo "concordo com o mundo que ela é muito gostosa". E se ele fizer aquela chupada pra dentro do tipo "hmmmmm delícia" já é algo que ultrapassa os limites do meu ódio.
(...)Odeio mau hálito e mais ainda o fato de que justamente as pessoas podres são aquelas que falam mais baixo e nos obrigam a ter que chegar perto. Eu odeio machismo, submissão e mais do que tudo isso ter que ser forte o tempo todo e não ter um ombro másculo para chorar até minha última gota desamparada.
(...)Odeio pessoas muito oleosas, muito peludas, muito suadas e acima de tudo meninas que cheiram a lavandas e gostam de adesivos de ursinho.
(...)Odeio os Estados Unidos mas odeio muito mais o fato de a gente ter sangue europeu mas ficar imitando esses estúpidos, que também têm sangue europeu mas são estúpidos por herança criada. Odeio a frase "eu vou no super, comprar umas cervas para o churras".
(...)Odeio quem casa virgem, odeio quem chega em casa depois de uns malhos no carro e enfia o dedo no meio das pernas porque tava louca para dar mas "ele ia me achar muito fácil". Mas eu também odeio mulher que sai dando pra meio mundo e perde o mistério. Sei lá, essa coisa toda de dar vai ser sempre uma dúvida.
(...)Odeio meninas caçadoras de homens ricos mas odeio sair com um cara que está tentando começar um relacionamento e ter que rachar a conta, seria mais simpático me deixar pagar a conta toda. Rachar é péssimo.
(...)Dividir banheiro, pêlo alheio em sabonete, acordar cedo e meninas adolescentes peruas com voz de pato.
(...)Quando eu era criança sonhava todas as noites que arrancava os olhos de todo mundo e só eu podia enxergar o quanto era feio eu ser como sou."  (Tati Bernardi)

...


São de farinha e mesmo assim trás felicidade

Queria começar a escrever o tamanho do meu sentimento com este ano, o quanto estou animada com ele, das novas perspectivas que estão por vir, das mudanças que anseio e que venham logo, por favor. Das alegrias que estou planejando com uma certa antecipação, eu sei, mas é tudo tão novo e tudo tão gostoso.  É hora de mudar e muitas coisas precisam ser alteradas. Ruins ou boas, todas trarão benefícios cedo ou tarde. Algumas fáceis outras um pouco mais doloridas.
Com 2012 ficou para trás uma garota amorosa e cheia de esperanças com as pessoas e ao contrário do que pareça, isso não é algo negativo na minha vida. É maravilhoso e sabe pq? As deixando de lado eu aqui não me chateio. Eu quero o meu caminho, o meu rumo e por mais que eu queira isso agora, "pra já", tenho que ser paciente. Ter paciência com a vida e com as oportunidades, enquanto isso estarei aqui vivendo meu dia como se não houvesse um amanhã porque eu escolhi ser feliz.
Alguns podem achar que chega a ser um exagero. Não é.
Eu, que sou uma pessoa digamos teimosa, teimo pelas minhas idéias, pelo que acredito, pelas pessoas que acho que possuam um potencial a mais do que apresentam e enquanto eu acreditar nelas e nas coisas aleatórias da vida, estarei ali; batendo na tecla, conversando, mostrando o quanto podem ser melhores. 
E eu converso, pacientemente. Espero, pacientemente. Mas, enfim, um dia eu vejo que já fiz demais e tudo se torna 8 ou 80.
Eu só acho que todos deveriam ter um pouco mais de perspectiva de mudança, melhorar, tomar uma atitude pelo seu próprio bem ou, em outra visão, pelos seus relacionamentos. Sair deste cimento sentimental "onde esta ta bom".
Eu tenho uma teoria: Para os que gostam de ser acomodados na sua situação, que chega até ao ponto de pairar sobre suas cabeças a leve tristeza da insatisfação pessoal e sentimental, estas são pessoas incapazes, bloqueadas por muros invisíveis de correr atrás das coisas boas da vida, são tristes por natureza, desmotivadas,   carrancudas onde nada é bom o bastante para faze-las sorrir. No fundo não há novidade nisto, é algo do conhecimento comum que por mais que seja comum, esquecemos.



Não há flor que seja perfumada o suficiente, 
não há nenhum lugar paradisíaco  o bastante para ir.
Não há noite chuvosa que o faça aquecer o seu coração,
 não há interesse nenhum em livros, 
não há conhecimento disperso, não há humor verdadeiro,
 não há degustação, não há vontade em realizar o novo, 
não há desejo pelo desconhecido, não há mente aberta, 
não há respeito por si, não há vontade de fazer surgir o sorriso em outrem, 
não há vontade de viver,
 não há corpo algum que os faça respirar ofegante
 trazendo de volta ao que eu chamaria de... Agora.
Não há nada mais que possamos fazer,
 não há nada mais que eu possa fazer. 
Que seja quente ou frio, nunca morno.
V.S.R.

Postar um comentário