segunda-feira, 20 de abril de 2015

Stromae


Esta é a ironia de estar conectado às redes sociais e ver justamente o novo clipe do cantor belga Stromae criticando esta permanente conexão em que vivemos. Divulgado pelo site Buzzfeed, o clipe Carmen é embalado pelo estilo já consagrado de Stromae no cenário do hip hop francês, em um rap com letra crítica e irônica, mas desta vez seguindo o ritmo da clássica criação feito para a ópera Carmen, de Bizet.
Dirigido pelo aclamado diretor Sylvain Chomet (de As bicicletas de Belleville, O mágico), o clipe expõe o primeiro contato de uma criança – Stromae, no caso – com uma inocente selfie feita ao lado do passarinho azul símbolo do Twitter.
“Em 1875, Georges Bizet comparou o amor a um pássaro rebelde. 140 anos depois (e em 140 caracteres), o amor é um pássaro azul”, disse Stromae ao Buzzfeed, afirmando a proposta do clipe em apresentar a ilusão que temos do amor como expresso inteiramente nas redes pelo número de seguidores.
Após o primeiro contato com o passarinho que emite um assobio – o tweet, ele e o celular se tornam cada vez mais presentes na vida do personagem. O passarinho destrói o prato de macarrão na mesa, simbolizando o isolamento do rapaz que permanece conectado no celular diante da família. O difícil contato com as pessoas. A ilusão de que há uma clara popularidade, pelo número de seguidores que aumenta, e o consumo incessante. A selfie na festa parece alegre pelas hashtags, enquanto o passarinho destrói o bolo e a sala está vazia.
A atmosfera do clipe encaminha para uma realidade em que todos – incluindo as autoridades – acabam sendo levados ao fim iminente, na boca de um grande pássaro azul que se alimenta destes que vivem em torno apenas das redes sociais. E, mesmo diante deste caos apocalíptico, ainda resta tempo para tirar mais uma foto e expor o horror de estar ao fim com o celular sempre à mão.


O curioso é constatar que Stromae liberou o clipe pelas redes sociais, no instagram, com uma foto sua tal qual a versão do desenho, além de outras dele no mesmo estilo (veja aqui). Já estamos inseridos em uma vida que se define pela presença no facebook, o contato pelo twitter, o significado das fotos publicadas. Contudo, como se pode ver, ainda resta espaço para a crítica a esse grande pássaro azul que nos consome.

 Li no Literaturtura
Postar um comentário