terça-feira, 4 de agosto de 2015

Mudanças



Eu não consigo me lembrar necessariamente quando tudo mudou. É engraçado vermos o mundo a nossa volta tomar outra forma, mudar o foco da preocupação, a história do momento. Dizem que não é o mundo que se altera, somos nós que evoluímos (ou regredimos) e então surge a diferença do ontem para o hoje e obviamente para o amanhã. É uma indagação muito crua ainda, mas eu sinto - eu me sinto diferente. Enquanto vejo muitos amigos e conhecidos crescerem como pessoas, como profissionais e blá blá blá, vejo outros na inércia. Mas não é qualquer inércia, é como se tempo não tivesse passado para ela e aquilo que ela vive, ou revive, a basta.

É inconsciente, mas todos queremos estar melhor hoje do que estivemos ontem e não estou generalizando apenas para questões monetárias, eleve esta constatação para algo muito mais grandioso. Foca na personalidade, nos costumes, nos desvios de caráter e no caráter. Imagine a pessoa viver exatamente como vivia quando tinha lá seus vinte e poucos anos, ou pior, lá na sua adolescência. Mesmo ideal, mesma opinião (boa ou ruim), mesmos costumes e os mesmos maus costumes.

Em que momento mudamos? Quando acontece o estalo da vida para começarmos a nos mexer? Sinceramente eu não sei. O que eu sei é que me vejo completamente diferente e sabe quando me dei conta? Quando abri as páginas de vendas hoje.

Meu histórico é dominado de sites de cursos de especialização e coisas do tipo, os sites de vendas agora carregam nomes de eletrodomésticos, imobiliárias e de decoração, as contas no fim do mês são para ver se consigo comprar o meu carro e (mais grandiosamente) uma casa. Quatro anos atrás a minha única preocupação era se a grana daria para as minhas farras mensais, faculdade e gasolina da moto. Não precisava de mais nada pois aquilo me bastava e estava ó, joinha demais.


Uma noite na minha aula de inglês conversando com minha professora, que também é uma conhecida de longa data, nos vimos no mesmo desejo: a conquista do nosso lugar. Perdemos espaço e a privacidade, a casa de nossos pais não representam mais a liberdade que queremos. Não existe o sentimento de que a casa deles é a nossa casa também, somos peixes fora da água, somos intrusas. Então, já rindo de nossa conclusão fatídica, percebemos que fazemos as mesmas coisas quando estamos de bobeira na internet: entrando em sites de eletrodomésticos, imobiliárias e de decoração.

Enquanto escrevo sobre o quanto meu foco alterou-se, meus amigos e colegas inercies estão ouvindo as mesmas músicas, comentando as mesmas babaquices nas redes sociais, fumando sua maconha semanal e fazendo as mesmas coisas que a dez anos atrás. Basicamente vivendo a sua vida de vinte e poucos anos.
Postar um comentário