segunda-feira, 14 de novembro de 2011

DA MARGEM DO PROFUNDO OCEANO VERDE


Toda vez que nós fazemos isto eu desabo por ela, onda após onda após onda, é tudo por ela. "'Eu sei o que pode estar errado"' Eu digo (e eu mentirei para mante-la feliz)  com tanto que você saiba que hoje eu fiquei. Aqui com você. Aqui com você...
E então nós observamos o sol nascer da margem do profundo oceâno verde e ela escuta com a cabeça pegando fogo pois ela quer acreditar em mim. Então eu tento levantar minhas mãos ao céu. Renunciar. Lembrar. Nós ficaremos aqui para sempre e nunca dizer adeus.
Eu nunca estive tão brilhante, veja como era a minha cabeça antes! Eu nunca estive tão maravilhoso, você quer mais.


E tudo o que eu quero é ficar assim, eu e você sozinhos. Um beijo
secreto e não vá para a casa, não vá embora. Não deixe isto acabar. Por favor fique não apenas por hoje "'nunca, nunca, nunca... Deixe-me ir"'.  
Ela diz "'me abraçe por milhares de dias'".
Eu desejo apenas parar. Eu sei que outra hora meu coração vai quebrar. Tantas lágrimas. Tantas vezes. Tantos anos eu tenho chorado por você. Quanto mais poderemos aguentar isto? Bebendo a seco. Pegando esta droga? Procurando por algo que sempre vem, exceto algo. Nós sempre vamos querer? 
Eu apenas estou me libertando. Ela se pendura na minha frente, seu vestido se escorrega como uma bandeira no chão e as mãos para o céu se entregando toda...
É sempre a mesma coisa: Acordar na chuva. Cabeça em dores. Pendurar a vergonha. Um nome diferente. O mesmo velho jogo. Amor em vão. E milhas e milhas e milhas e milhas e milhas distantes de casa de novo.
From the edge the deep green sea - The Cure

Postar um comentário