terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Vida de Pós - perguntas tendenciosas

Existe dois tipos de pessoas neste mundo. Em qual lado você esta ou quer estar? Conhecimento é tudo ;)

Existe um mal agarrado às entranhas da contabilidade que só agora esta sendo remediada, o que não significa que esta curada: informações distorcidas em prol da carga tributária. Muitos contabilistas que pra mim não deveriam ser chamados de contabilistas já que estão fazendo merda e difamando toda uma área de trabalho trabalham todos os fatos contábeis ocorridos com a intenção de abaixar a carga tributária do seu cliente.
Então quer dizer que você Caroline é a favor da carga tributária altíssima do nosso país? Não, não e isso que estou expressando aqui. Eu sou totalmente contra a alteração dos fatos, informações ludibriosas, manipulação, alteração, tendencionismo no momento de realizar o seu trabalho, nesta caso, do contabilista - aquele cara que estuda quatro anos e que depois de formado precisa passar em um exame do CFC para ter o direito de exercer a profissão; aquele que para se manter no mercado nunca pode parar de estudar porque estamos no meio de uma “revolução” contábil com o nivelamento da contabilidade brasileira com as normas contábeis internacionais, aquele que para atender as normas e procedimentos contábeis (o correto) faz o trabalho árduo e extenso e no momento de apurar os devidos impostos tem que fazer ajustes Ridículos (retrabalho) por que o Brasil não aceita a nova música que esta tocando na contabilidade para fins de base de cálculo.
Nossa vida tem um longo caminho de pedras.
Essa mania de alterar os fatos em pequenos detalhes percebi o quanto esta impregnada em alguns profissionais depois de mais um final de semana de pós. Era o que o nosso professor de Contabilidade Financeira chamava de “perguntas tendenciosas”. Eram aquelas perguntas "mas se eu fizer isso, mas se eu estiver em tal situação, posso ajustar o valor, baixar, aumentar, subir no pé de abacate?". Pois é. a resposta predominante do nosso professor (Carlos Vieira, co-autor de diversos livros FGV) era "olha as perguntas tendenciosas" se referindo a este ato e mal hábito de muitos contabilistas.
O objetivo da contabilidade é o Patrimônio, certo? E neste objetivo temos a obrigação de demonstrar a real situação da entidade. Apresentar fielmente as decisões internas e externas que interferiram na contabilidade e não manipula-las com a intenção de reduzir a carga tributária. No momento que se age desta forma, você não esta apenas trabalhando errado, esta enganando seus usuários internos e externos, esta afundando a reputação não somente sua mas de uma classe inteira.

Por isto consciência, conhecimento e ética são à base de um contabilista, no meu entendimento. Você pode até agradar seu cliente reduzindo a guia no final do mês, mas, esta também dizendo que você é um profissional de merda que da “aquele jeitinho brasileiro”, o mesmo sentido que usamos para advogado ruim: “advogado de porta de cadeia”. 
Ao fim da aula ele deu um concelho a nós contabilistas: Se nós estudamos, temos que estudar mais, muito mais. Hoje o mercado de trabalho esta carente de profissionais aptos, profissionais de qualidade. Esta cheio de contabilistas mas em uma grande peneira poucos se mantêm atualizados e sabem de fato realizar os trabalhos da forma certa. Muitos profissionais sairão do mercado por conta própria porque a seleção natural já esta acontecendo e ficará para trás quem não estudar, quem não se atualizar, quem não acompanhar as inúmeras mudanças e sim, hoje a contabilidade é um ramo que dará bon$ fruto$ aqueles que se destacarem.

Pois é galera, com isso fecho o post de hoje. Contabilidade prepare-se que vou lhe usar, a minha vida inteira  :)
Postar um comentário