quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Conselhos de grandes escritores para quem deseja escrever

 
Paul Auster


Dizem que a humildade é uma das características mais importantes para quem está começando a escrever. Embora faça-se necessário acreditar em si mesmo, em sua própria intuição, não há nenhum problema em ouvir um bom conselho. Principalmente se ele vier de um daqueles mestres da escrita, consolidados como referências em criação literária.
Pensando nisso, o Homo Literatus extraiu do livro As entrevistas da Paris Review, editado pela Companhia das Letras, 10 Conselhos de escritores geniais para quem deseja escrever.


1) “Sempre sonhe e atire mais alto do que você sabe que pode fazer. Não se preocupe somente em ser melhor do que os seus contemporâneos ou predecessores. Tente ser melhor do que você mesmo.”
- William Faulkner

2) “O único recurso que conheço é o trabalho. A escrita tem leis de perspectiva, luz e sombra, assim como a pintura ou a música. Se você já nasceu conhecendo-as, ótimo. Se não, precisa aprendê-las. E depois precisa rearranjar as regras a fim de adaptá-las a si próprio.”
- Truman Capote

3) “Quando estou trabalhando em um livro ou em um conto, escrevo todas as manhãs, o mais cedo possível, logo depois do raiar do sol. Ninguém vem pertubá-lo, ainda está fresco, ou frio, e você pega no trabalho, e vai se aquecendo enquanto escreve.”
- Ernest Hemingway

4) “Você não precisa dele [o amor nos romances]. Você deve ter modéstia quando é um romancista.”
- Louis-Ferdinand Céline

5) “Depois descobri que as metáforas realmente boas são sempre as mesmas. Quer dizer, você compara o tempo a uma estrada, a morte ao sono, a vida ao sonho, e são essas as grandes metáforas da literatura, porque elas correspondem a algo de essencial.”
- Jorge Luis Borges

6) “Ele [o escritor] deve ser julgado pelo prazer que proporciona e pela emoção que se tem com ele.”
- Jorge Luis Borges

7) “Levo muito tempo para acordar, então de manhã escrevo cartas, reviso traduções – coisas que não me exigem muito. De tarde, vou à praia e nado por 20 minutos. Volto, como, dou uma cochilada. Sem essa cochilada não há possibilidade de criação. Das 4 às 8, trabalho para valer.”
- Manuel Puig.

8) “Se um autor estiver convencido de que é honesto e tem algo fundamental a dizer, é muito difícil que seja um mau escritor. Sente-se obrigado a passar, a transmitir suas ideias de modo claro. Por outro lado, se um escritor nada tem a dizer, mesmo que maneje as ferramentas da escrita, será um escritor menor.”
- Primo Levi

9) “Um escritor que esteja numa manhã produtiva, as frases fluindo uma após a outra, experimenta uma alegria serena e íntima. Essa alegria por si só libera, então, uma riqueza de pensamentos que pode gerar novas surpresas. Os escritores anseiam por momentos como esses, por manhãs como essas.”
- Ian McEwan

10) “Fico trabalhando num parágrafo até me sentir razoavelmente satisfeito com ele, escrevendo-o e reescrevendo-o até encontrar a forma exata, o equilíbrio exato, a música exata – até que pareça transparente e espontâneo, e não mais algo que foi “escrito”. Pode levar um dia, metade de um dia, uma hora ou três dias.”
- Paul Auster

Fonte: Homo Literatus
Postar um comentário